O que é a liderança consciente…

27 Setembro, 2018 Esther Liska

… e porque é importante para o sucesso da sua organização!

 

A palavra motivação tem sido meramente classificada como algo superficial e muitas vezes sem apresentar o real sentido que a palavra representa. De fato, muitos acreditam que motivação está mais ligada ao que demonstramos nas redes sociais, do que com o que realmente é.

A verdade é que motivação tem um significado muito amplo e complexo que merece ser aprofundando. Além de ser uma força poderosa que nos incentiva a viver todos os dias, é um tema de suma importância dentro da gestão da liderança. Afinal de contas, liderança não é apenas ser vista, mas também vermo-nos a nós próprias.

Neste contexto, liderar não é apenas organizar, orientar e distribuir funções. Um líder deve ser visto como a mola propulsora do processo, como a esperança de que o que está desorganizado pode ser organizado, de que o errado pode ser corrigido. Um líder é capaz tanto de motivar como de destruir a sua equipa.

Entenda como a motivação e descobrimento do próprio “eu” fazem parte de um processo de liderança consciente.

O sentido da liderança

Ao abrir uma empresa e tornar-se uma líder, uma empreendedora tem a intenção de fazer a diferença oferecendo os seus produtos e sendo uma líder. Pretende mudar a vida das pessoas que a cercam, tornando-as mais produtivas e conscientes do processo de trabalho.

No entanto, muitas vezes toma decisões erradas em relação aos seus colaboradores pois, na esperança de salvar o mundo, acaba por se perder a si mesmo.

O resultado é visível em muitas empresas: líderes exaustos que não conseguem gerir a sua própria vida. São pessoas muitas vezes infelizes, que, por tentarem fazer o bem para todos, acabaram fazendo mal a si mesmos. São tão capazes de desmotivar a sua equipa, que acabam por ser odiados.

Durante este processo, temos colaboradores desmotivados, insatisfeitos e que cumprem apenas as normas da empresa sem paixão. Paixão, um elemento fundamental para aumentar a capacidade produtiva do ser humano. E neste sentido, o líder já conseguiu tirar toda a paixão da sua equipa.

O trabalho de um líder consciente então não é entrar dentro de uma empresa e acreditar que pode consertar todas as fissuras causadas pelos mais variados processos.

A sua atividade consiste em fazer o seu próprio trabalho de maneira autêntica, satisfatória e que apresente resultados. Abre-se aí um preceito para que o líder desperte em si mesmo a força mais poderosa dentro dele.

Essa força, que pode ser denominada de “Eu poderoso”, é capaz não só de trazer motivação para o líder, mas de inspirar a sua equipa.

O que é uma liderança consciente?

A liderança consciente aparece quando um líder consegue planear, identificar e seguir os padrões, mesmo quando está prestes a sair da sua zona de conforto.

Zona de conforto – este é um problema enfrentado não só pelos funcionários, mas também pelos líderes. Sair da zona de conforto pode ser uma experiência desagradável, muitas vezes, amargo. Mas é ao sair dela que um líder começa a apresentar melhores resultados.

Os elementos que podem fazer com que um líder não saia de sua zona de conforto são:

  • Autossabotagem: Começa com aqueles pensamentos “não serei capaz de produzir algo que realmente faça a diferença”, “pode ser que não resulte” ou “não posso correr este risco”.
  • Procrastinação: A procrastinação é responsável pela falta de sucesso da liderança e, consequentemente da sua equipa. Se você pode fazer hoje, faça hoje e não deixe para amanhã, para outro mês, ou para outra altura.
  • Medo de fracassar: O medo do fracasso aparece sempre numa situação nova, que exige uma decisão firme. Pois bem, é melhor fracassar pela tentativa e erro, do que fracassar por deixar de tentar. O fracasso faz parte da vidas, e ter medo chega a ser quase irracional.
  • Alterações de Ego: A liderança deve ser exercida de maneira consciente, um líder não é servido pela sua equipa, mas serve-os a todos. A humildade é algo que fará toda a diferença numa liderança consciente e de sucesso. Já ultrapassamos o tempo onde os chefes eram temidos pelos seus funcionários, até mesmo porque o conceito de chefia já caiu em desuso há algum tempo, e se não souber diferenciar a chefia da liderança, pode ser que realmente esteja a cometer alguns erros.
  • Comparação: A disputa de egos dentro de uma empresa pode minar o sucesso de uma liderança. Como já foi dito acima, ser humilde é uma peça fundamental no quadro de um líder e não pode ser dispensada.

O processo de liderança consciente passa por etapas, não está pronto e acabado, pelo contrário, é cíclico e se renova constantemente. Estar preparado para isso é dar uma passo à frente para o que de fato significa liderança. É sair do casulo e alçar novos voôs.

Vamos falar sobre algumas das etapas para o desenvolvimento de um líder consciente:

 

1 ª Etapa – Reconhecimento da posição e do momento

Você não pode passar por cima de algumas das coisas que não gosta, fingindo que não as vê para que possa crescer dentro da sua carreira pessoal.

Pelo contrário, a etapa de crescimento dentro de uma liderança requer uma base edificada e limpa. Quando você passa por cima daquilo que precisa ser feito, que precisa ser melhorado, não está a deixar o problema, está apenas a carregar mais um fardo às costas.

Mais cedo ou mais tarde este problema vai aparecer e você terá de lidar com ele. Mais do qualquer colaborador dentro de sua equipa, você tem de entender isto.

Além disso, quando você salta processos, você também incentiva a sua equipa a fazer o mesmo, e isso causará sérios danos mais à frente.

Você precisa de ter um roteiro detalhado de onde está e onde quer chegar. Esse roteiro deve ter objetivos e metas a serem alcançados.

Como aqui também já foi citado, é um processo que começa de dentro para fora, ou seja, primeiro você cresce, e, aos poucos, sua equipa também cresce.

Para começar, saiba exatamente onde está neste momento e onde deseja chegar.

2ª Etapa – Trabalhe com aquilo que tem e transforme o seu contexto

Assim que identifica onde está, passa a entender que para sair desse lugar é preciso trabalho, esforço e dedicação. Não obstante, chega à conclusão de que não pode ficar parado. É o movimento que nos faz sair da nossa zona de conforto.

A partir deste momento, não vai buscar ajuda em coisas que não estão ao seu alcance, mas sim, naquelas que estão.

É preciso então, reunir ferramentas que permitam fazer com que chegue até onde determinou que iria chegar. O problema é que muitas vezes, tem estas ferramentas à sua disposição, mas não sabe como utilizá-las, ou as utiliza de maneira inadequada.

O ser humano é muito inteligente, no entanto, usa a sua capacidade a seu próprio desfavor. O que quer isto dizer? Questione-se quantas vezes desperdiça a sua inteligência em fofocas, bebedeiras, ao tentar esconder-se de quem de facto você é e do que precisa ser feito.

Entretanto, pode usá-los como forma de o impulsionar para aquilo que quer e tem de fazer. O seu medo e sua dor não são seus inimigos, muito pelo contrário, podem incentivá-la a chegar a patamares mais altos.

Você só precisa entender que o medo tenta fazer com que se mantenha dentro da sua zona de conforto, e é como o seu inconsciente trabalha para que não sofra a dor da frustração.

Mas ao compreender que a frustração faz parte do processo de crescimento, a sua dor torna-se inferior e a capacidade de se tornar numa pessoa melhor se torna muito maior.

O que é preciso então? Arriscar, jogar alto, e assumir responsabilidade.

Já ouviu a frase “pensar fora da caixa”?

A caixa representa o pensamento pequeno, a autopreservação, o medo, seguir os padrões e manter a rotina.

Obviamente que para que você saia deste estado onde se encontra é preciso ousadia, ambição, e paixão.

Não se autossabote implementando ferramentas que fazem com que permaneça no mesmo local sem nenhum resultado. Você tem de mudar o curso desta história.

Em vez de utilizar ferramentas que de facto o tornam mais confortáveis, tem de procurar algo que a faça conhecer mais sobre si mesma e os padrões que surgem ao longo da sua vida e carreira.

As ferramentas que a podem « ajudar são muitas, vão desde um coaching que a instruirá em várias áreas da vida, até mesmo na procura de um tratamento terapêutico.

Outra possibilidade é aproximar-se de pessoas que trabalham com um tipo de responsabilidade radical e não abrem preceitos para fraquezas.

Estes são lugares que a impulsionarão a cada vez seguir mais longe dentro do plano que estabeleceu dentro de uma liderança consciente.

3ª Etapa – Caminhe no seu próprio espaço

Caminhar no seu próprio espaço é ser autêntico, e não permitir que outras pessoas opinem sobre isso. É a formação da sua personalidade.

O que existe de facto hoje são pessoas que tentam manipular em benefício próprio, e também se deixam manipular pelo mesmo objetivo.

O que falta no mundo são pessoas autênticas, líderes autênticos, que se aceitam como são e incorporam o seu verdadeiro “eu”. Estes líderes, conhecem as suas falhas, as suas qualidades e isso gera valor para as outras pessoas.

Quando você se torna o tipo de pessoa com quem as outras pessoas querem estar, querem seguir, querem a sua permissão para que isso aconteça.

Tornar-se um líder assim é um caminho que requer bastante esforço, pois, descobrir-se a si mesma pode ser uma tarefa muito árdua, mas os resultados finais são libertadores.

Um líder consciente não dá permissão para que outra pessoa seja ela mesma, mas mostra-lhe como isso é possível, torna-se um exemplo e uma inspiração.

Ao personificar a ideia de grandeza de alguém, você torna-se o espelho de alguém, e isso é muito bom.

4ª Etapa – Não é o que faz, mas como faz

É inegável que quando se torna uma líder, você torna-se numa figura pública. Poder ter alguns admiradores, e pessoas atentas aos seus atos.

É por isso que você tem de se comprometer com o seu crescimento e cuidar do seu interior, pois, deixa de ser apenas uma pessoa, e se torna um estado de espírito.

Sim, pode ser uma afirmação um pouco forte, e que carrega consigo um alto sentido de responsabilidade. Mas ser um líder consciente é isso, e você não pode mudar, não pode voltar para a “sua ostra” e esconder-se lá.

Você comprometeu-se, assuma a sua responsabilidade!

Sempre que você cresce, convida os seus seguidores a fazer o mesmo.

E sim, você será confrontada com incertezas e dúvidas, mas isso faz parte de do processo para se tornar quemé, e aceitar isso irá doer muito menos do que lutar contra isso.

O que é preciso para enfrentar as adversidades comuns que cada um de nós enfrenta durante a vidas:

  • Confiança: Aconteça o que acontecer, você vai chegar onde quer.
  • Convicção: Não importa o que as circunstâncias lhe digam, você é capaz de realizar tudo aquilo que sonhou para a sua vida.
  • Propósito: Não importa o que a vida colocou à sua frente neste momento, você comprometeu-se consigo mesma e tem de superar para chegar ao ponto que estabeleceu.

Só assim estará no caminho certo para se tornar a líder consciente que tanto quer ser.

Motive-se, inspire-se, você é capaz de chegar lá.

Boa sorte! Bom trabalho! Boa Vida!

Sucesso na sua caminhada!


Partilhe o artigo e acompanhe as novidades que irei partilhando através das redes sociais ao longo da Win Conference, dias 26 a 29 de setembro, em Roma, onde irei liderar o Workshop: “Are you a Conscious Leader”.

, ,